sexta-feira, 12 de abril de 2013

Motivos para sorrir


Como parar de rir diante dessas imagens?



Acessório de lutadores virou febre no Botafogo; 8 atletas usam o protetor

O time do Botafogo está sorrindo atoa com a boa campanha que vem fazendo no Campeonato Carioca. Até agora o Alvinegro já levou a Taça Guanabara - disputa equivalente ao primeiro turno do campeonato - vencendo de forma convincente os rivais Flamengo e Vasco, dois (ex) concorrentes diretos ao título, e não quer parar por aí.

Não satisfeitos com a conquista, os jogadores vem mantendo a pegada e o mesmo nível de atuação no segundo turno. Já despachou o Vasco, engatando seis vitórias consecutivas em seis partidas disputadas. Dessa forma, chegou à liderança do Grupo A invicto e garantiu a participação nas semifinais da Taça Rio, pelo que tudo indica, com vantagens.

Já, fora de campo, os sorrisos não são tão fartos em razão dos recorrentes atrasos de salários e direitos de imagem dos jogadores o que pode tirar a tranquilidade do elenco nessa reta final. Esse problema vem causando um desgaste desnecessário entre os atletas desde o início da temporada. O goleiro Jefferson, um dos líderes do grupo, confirmou o problema em entrevista à TV e cobrou providencias do clube ainda na disputa do primeiro turno, o que obrigou a direção a dar explicações em público. Na ocasião, parte das dívidas reclamadas foram saldadas e agora, repentinamente, o assunto volta às manchetes e redes sociais.

Contudo, nada se compara ao sorriso de plástico do valoroso zagueiro Dória que aderiu à moda do protetor bucal, acessório muito utilizado por lutadores e outros atletas em treinamentos e competições.

No clube do presidente dentista, já são oito os atletas que usam o acessório no time principal: Fellype Gabriel, Dória, Bruno Mendes, Vitinho, Sassá, Antônio Carlos, Jeferson e Cidinho. Segundo reportagem do Uol, nas categorias de base esse número é ainda maior e a cada dia mais faz parte do cotidiano dos jogadores.

Lembro de Loco Abreu, ainda no Botafogo, usando um desses protetores personalizado com as cores da seleção uruguaia, já na campanha de 2010. Ele foi o pioneiro dessa tendência, no clube. O gringo virou um fã desse tipo de proteção que ainda hoje faz encomendas o coordenador do departamento de odontologia do Bota, Gustavo Ferreira.

Fellype Gabriel, o jogador do elenco que leva mais porradas por tempo de jogo, revela que o acessório já o protegeu neste início de temporada. Durante a partida contra o Boavista, ele recebeu uma forte pancada na boca que chegou a cortar a prótese. O camisa 11 cita os lutadores de MMA para explicar os benefícios de aderir à nova moda do Botafogo.

Gustavo Ferreira, inclusive, defende que o protetor bucal deveria ser um acessório obrigatório a todos os jogadores de futebol. “Principalmente para os que usam aparelho. Mas independentemente de ser obrigatório ou não, é algo que vai crescer, pois os atletas estão percebendo os benefícios”.

Alô diretoria do Fogão: faça um esforço derradeiro para saldar os compromissos com os jogadores, que estão enfrentando o problema com lucidez e dignidade até aqui. Não atrapalhe a boa trajetória do time rumo à conquista do Cariocão, de maneira direta sem finais, como eles próprios já demonstraram querer assim como o treinador e sua comissão técnica e também, sua apaixonada torcida.

Por favor!

Por Felipaodf/Botafogdeprimeira.com