quinta-feira, 30 de maio de 2013

Sufoco controlado


Uma vitória na conta do chá mas que deve ser exaltada


O Bota cumpriu ontem, contra o Santos, sua segunda partida no Brasileirão e obteve a primeira vitória na competição. Mesmo jogando sem Seedorf, seu principal articular de jogadas e maestro do time, dominou o 1o. tempo, marcou dois gols (14' e 21') e foi para o intervalo tranquilo com uma bela vantagem. Quanto ao adversário, se mostrou um time apático, desarticulado e confuso na sua primeira partida sem Neymar.

Já no segundo tempo, como era de se esperar, o Santos venceu a apatia que tanto irritou Murici, mudou jogadores e a forma de jogar, e até que assustou. Tentou encurralar o Botafogo em busca de um melhor resultado, conseguiu marcar um gol, com Montillo, mas parou por aí.

Eu diria que o Bota passou por um sufoco controlado. Apesar de ter levado um gol aos 26' e ter permitido que o Peixe se articulasse melhor nessa etapa, o Alvinegro utilizou bem a vantagem que construiu no 1o. tempo e teve as mesmas chances de ampliar o marcador que o Santos para empatar.


Renan foi bem substituindo Jefferson e mostrou tranquilidade quando foi exigido, apesar do gol. A zaga só teve trabalho com a entrada dos jovens Gabigol e Neilton e uma maior movimentação de Mointillo, no 2o. tempo. Os laterais melhoraram a produção ofensiva em relação à estreia e tiveram participação efetiva nas jogadas dos gols. Os volantes aguentaram o tranco e ainda tiveram fôlego de chegar à frente.

Já o trio de armadores não foi tão bem como era de se esperar, mas mesmo assim F. Gabriel apareceu bem na área para abrir o placar. No 2o. tempo (13') deixou o campo por sentindo um desconforto na coxa, substituído por Vitinho. Apesar de ter iniciado a jogada do primeiro gol, Lodeiro errou muitos passes quebrando a sequência das jogadas. Andrezinho, ainda sem ritmo de jogo, se mostrou pouco produtivo para o time e foi substituído por Renato (25') que não acrescentou nada além disso.

Destaque para Rafael Marques que se movimentou com desenvoltura por todo o campo, ajudou na marcação e foi muito produtivo no ataque, sendo coroado com o segundo do Bota. Esse foi o seu sexto gol em seis partidas disputadas, índice digno de um verdadeiro "matador". Não é pra tanto, mas a sua eficiência vem chamando a atenção positivamente.

É um belo começo de campeonato, a despeito dos problemas extra-campo que insistem em tomar as manchetes dos jornais que preferem esse tema à análise do bom momento do time na temporada. O clima ficou mais ameno depois de os jogadores recuarem da posição de não se concentrarem antes dos jogos e os resultados vem aparecendo em campo.

O presidente Maurício volta à ativa depois de um tempo afastado do clube e nós torcedores, aguardamos ansiosos um pronunciamento sobre o atraso de salários e as graves denúncias de armação no episódio do fechamento do Engenhão com o evolvimento de gente do clube. Será?

Veja os melhores momentos da partida: