domingo, 2 de junho de 2013

Despachamos a Raposa, que venha o Baêa




Essa terceira rodada já mostrou um pouco quem é quem neste comecinho de campeonato, disputa que se estenderá até dezembro.

Botafogo e Cruzeiro, dois dos candidatos ao G4 da semana, se enfrentaram em Volta Redonda e o Campeão Carioca levou vantagem sobre o vice mineiro,  mostrando quem está mais pronto nesse começo de caminhada.

Foi um jogo entre dois times que começaram bem o campeonato, cada um dentro de sua particularidade. O Bota, mantendo a firmeza demonstrada no Carioca e o Cruzeiro, um time ainda em formação, somaram quatro pontos com um empate e uma vitória cada, até então.

Como esperado, (Veja nosso post do pré-jogo: http://felipaodf.blogspot.com.br/2013/06/guia-da-rodada-3-para-comecar-ver-quem.html) o grandalhão Anselmo Ramon encaixou bem no ataque cruzeirense substituindo Borges. Como homem de referência e fazendo o trabalho de pivô, levou perigo ao gol de Renan em várias oportunidades bem municiados pelos meias cruzeirenses Diego Souza e Éverton Ribeiro. Foi dele o gol único da Raposa.

Lembrávamos na matéria do pré-jogo que os volantes azuis eram nossos velhos conhecidos. Leandro Guerreiro, campeão carioca pelo Bota (2010) e  Nilton, ex-jogador cruzmaltino. Observamos que Guerreiro já não tinha o mesmo pique de antes, fato que o impediria de acompanhar com eficiência os nossos homens de frente e que Nilton se destacava pelos potentes chutes de fora da área. Pois bem, os dois foram responsabilizados pela torcida cruzeirense pelo fracasso do time na partida. O primeiro, por ter errado o passe para Vitinho que deu origem ao contra-ataque botafoguense no primeiro gol; o segundo, por ter feito uma partida muito apagada e pelo pênalti em cima do lateral Lucas numa jogada bisonha que Lodeiro converteu.

Pelo lado do Bota, Seedorf voltou ao time com uma atuação apenas discreta demonstrando estar ainda debilitado pela virose que o tirou do jogo diante do Santos. No lugar de Fellype Gabriel, lesionado, Oswaldo veio de Vitinho surpreendendo na escalação. O natural era que Andrezinho assumisse a vaga depois de ter jogado como titular na última partida, apesar da falta de ritmo que demonstrou.

A entrada de Vitinho mudou a forma do Bota jogar. Ganhamos poder de ataque com o ímpeto do jogador mas perdemos em marcação, causa da maior posse de bola do Cruzeiro (57x43) e domínio nos desarmes (11x1) durante o primeiro tempo e início do segundo, até levarem o segundo gol.

O Bota atual, entrosado, eficiente e invicto há 19 partidas, possui armas bem definidas e as usou contra o Cruzeiro. O sistema defensivo aguentou o tranco e conseguiu levar vantagem na maioria das jogadas pelo setor. Mostramos dificuldades apenas nas jogadas originadas pelos flancos onde o Cruzeiro foi muito eficiente. Fellype Gabriel fez falta na articulação das jogadas de transição e tivemos que recorrer aos chutões.

A vitória veio porém, mais apertada do que prevíamos. O holandês sentiu o desgaste e não foi tão eficiente como esperado e Rafael Marques não produziu tanto. Porém esses fatores foram compensados pela atuação guerreira de Lodeiro, premiado com os dois gols. Agora o uruguaio se apresenta à Celeste para a Copa das Confederações, com a sensação do dever cumprido. Foi uma vitória em "casa" contra um concorrente direto, importante para a sequência do campeonato e para se manter no G4.

Que venha o Baêa, jogo que será disputado em Sergipe, prevendo dificuldades já que os comandados de Cristóvão estão empolgados com a importante vitória sobre o Colorado, lá no sul.


Oswaldo diz que Bota podia ter feito mais gols


Saudações a todos!

Por @Felipaodf/Botafogodeprimeira.com