quinta-feira, 6 de junho de 2013

O vatapá desandou



O Botafogo sofreu ontem, diante do Bahia, a segunda derrota do ano (perdeu para o Fla no Carioca) e parece que o vatapá desandou. Críticas à atuação do time pipocaram por todos os lados e as velhas discussões sobre o elenco alvinegro virou o prato-do-dia.

Foi um jogo ruim, principalmente no segundo tempo quando tudo parecia caminhar para um empate enfadonho tal era falta de vontade dos dois times em mudar a situação. Porém, o disperso Fellype Gabriel resolveu interferir no destino da partida e "lançou" Fernandão nas costas de A. Carlos, que tentou acompanhar o atacante e nem isso conseguiu. Até agora estou me perguntando porque o sempre mal colocado Tonhão não se sacrificou pela pátria fazendo falta no lance e parou a jogada - uma voadora ali resolveria a parada. Mesmo que levasse vermelho, era a melhor alternativa para barrar a corrida do grandalhão baiano já que Renan não esboçou nenhuma reação pra evitar o arremate final.

A noite era ideal para chegarmos à ponta da tabela mas parece que bateu aquele pavor de assumir a liderança dessa coisa chamada Brasileirão. Quaisquer que sejam as circunstâncias, o Bota sempre patina nessa ocasiões, principalmente contra times de menor expressão... Fazer o que?

Alguns atribuem a péssima atuação ao problema dos salários atrasados que o Presidente ainda não deu solução. O técnico elegeu o gramado irregular como vilão pelo baixo rendimento. Pode até ser, já que o gol de Vitinho teve a  ajuda do montinho artilheiro e ocorreram muitos erros de passes de ambos os lados. Existe ainda a história do cansaço pelo excesso de viagens com a falta do Engenhão. Foi tudo isso junto, mais a falta de disposição.

A se louvar, apenas a presença maciça da torcida alvinegra local (Público/Renda: 13.759 pagantes/R$ 386.300,00) que mesmo em maior número teve que amargar uma derrota na despedida do Batistão.

Vários jogadores estiveram abaixo da média a começar por nosso goleiro. Renan falhou ao rebater a bola nos pés do adversário, um erro recorrente já que no lance do gol do Cruzeiro rebateu errado também.

O tal de Tonhão já não merece figurar nem como reserva do Dória. Vem apresentando baixo rendimento seguidamente em todos os fundamentos. Pode ser a vez de André Bahia ser experimentado na posição, pelo menos é mais eficiente nos desarmes e tem melhor colocação.

Bolívar, sobrecarregado, se excedeu nas faltas, tanto que temi por sua expulsão. Nossos laterais estiveram muito abaixo do desejável. Mattos e Gabriel sobreviveram ao desastre e lutaram como sempre até o fim.

Fellype Gabriel, que retornava ao time, vem jogando abaixo do que pode e acabou por produzir o lance bisonho que resultou no gol da virada do Bahia, o segundo de Fernandão. Lodeiro fez muita falta como era previsível e o setor de criação pouco produziu. Foram apenas três chances de gol, uma convertida.

Seedorf ficou devendo de novo e parece estar cansado de tudo. Rafael Marques parou de marcar gols e também de jogar - sumidaço nas duas partidas, nunca é substituído para se ter ideia de como o time se comportará sem ele. Vitinho tem a seu favor o vigor físico e a disposição em partir para o gol mas ainda não é jogador para dois tempos inteiros. Alternou bons e maus momentos na partida e sucumbiu com o time no segundo tempo.

O pior de ver foram os substitutos escolhidos para mudar o rumo da partida, todos sem ritmo de jogo. Renato pouco acrescentou e Andrezinho - sem confiança, deu vexame ao perder bolas fáceis e atrasar jogadas quando deveria procurar o gol de empate. Bruno Mendes continua matando na canela mas mostra disposição e poderia ser mais utilizado. No final, teve a chance do empate mas levou azar na jogada. Paciência...

Adeus série invicta (19) e adeus possibilidade de liderança isolada no Brasileirão. Agora é juntar os cacos porque temos uma Ponte pra atravessar até a parada para a Copa das Confederações.

Vamos em frente porque está tudo, ainda, muito embolado!

Por @Felipaodf/Botafogodeprimeira.com