terça-feira, 9 de julho de 2013

A Síndrome da liderança e a força do Fogão!


Dedicação! Esse foi o segredo que os jogadores do Botafogo empregaram na partida contra o “poderoso” Fluminense na disputa da liderança do campeonato, no último domingo, em Recife.

No post do pré-jogo – Quem tem medo do Flu?, não duvidávamos dessa possibilidade: “De qualquer forma, estou otimista quanto a uma vitória sobre o Flu e uma combinação de resultados que nos permita assumir a ponta da tabela de vez. Nada mal para o recomeço dessa boa caminhada do time, até aqui” veja na íntegra o texto e confirme: http://felipaodf.blogspot.com.br/2013/07/que-venha-o-flu.html

Foi uma aula de marcação e transpiração o jogo todo, até que a Estrela brilhou!

Seedorf, que completava 1 ano de sua apresentação à torcida (07) no Engenhão e vestia a camisa 10 do Fogão pela primeira vez, desferiu um petardo de fora da área que surpreendeu Cavalliere e colocou o Bota na liderança do campeonato. Acabava dessa forma, a “síndrome da liderança”, um mau que assolava o time alvinegro e que consiste em dar mole sempre que a possibilidade de chegar no topo da tabela se apresentava.

Essa possibilidade já havia acontecido no jogo diante do Bahia, pela 5ª. rodada, quando bastava uma vitória pra assumir a ponta e o time jogou muito mal, sendo derrotado por 2x1 pelo tricolor baiano, em Aracaju. O tema voltou  repercutir entre os torcedores nas redes, com declarações, invariavelmente, pessimistas.

O grupo de jogadores está de parabéns pela campanha nesse início de campeonato e pelo feito do fim de semana. Mais ainda, pela sabedoria de conseguir separar as dificuldades extracampo da responsabilidade de honrar a Gloriosa, em campo.

Devemos agradecer às novas lideranças “agressivas” de Seedorf e Bolívar que se juntaram as que já existiam no elenco, principalmente de Jefferson e Renato - mais brandas, e deram um Up nessa questão de transformar um time normalmente apático e quase sempre conformado com o destino em um time forte mentalmente, capaz de sonhar com coisas maiores.

Tecnicamente esse grupo é mais qualificado do que os formados nos últimos anos (apesar das últimas baixas que precisam de reposição) que sempre chegavam perto do objetivo e acabavam ficando pelo caminho. Mas ainda acho que o grande diferencial desse grupo é a força interior que o faz acreditar.

Honestamente, não dá pra precisar aqui de longe a influência de Oswaldo nesse aspecto, mas a sequência do trabalho lhe proporcionou uma segurança de firmar seu estilo de jogo (do qual, como torcedor, tenho restrições) comprovadamente, muito eficiente.

Veja os melhores momentos do jogo que colocou o Bota na liderança do Brasileirão:








Não sei onde vamos chegar e ninguém pode afirmar nada sobre o assunto nesse início de competição mas gostaria de deixar esses aspectos sobre a força do grupo, ressaltados.

Bola pra frente, Fogão. Que venha o Grêmio do fanfarrão Renato Gaúcho!


Por @Felipaodf/Botafogodeprimeira.com