sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Jogamos como campeões


Enfrentamos o Galo, Campeão da Libertadores, e vencemos com sobras o grande adversário




No post do pré-jogo, indagamos a torcida botafoguense sobre qual o Galo que iríamos enfrentar: o campeão da Liberta ou o time que ocupava a parte baixa da tabela, no Brasileirão? Depois do jogão de ontem no Maraca, acho que não resta duvidas que enfrentamos o Campeão da América. 

Veja o post "Qual o Galo que vamos enfrentar?" http://felipaodf.blogspot.com.br/2013/08/qual-o-galo-que-vamos-enfrentar.html


Na última vez que os dois times se toparam havia sido pelo Brasileirão, na casa do Galo. Assistimos a um jogo (2 a 2) de alto nível com o time mineiro conseguindo a igualdade no minuto final dos acréscimos. E no jogo de ontem, não foi diferente. 

A expectativa para os dois jogos - o primeiro pelo Brasileirão e o de ontem, pela Copa do Brasil - era ver o duelo entre os craques Ronaldinho Gaúcho e Seedorf o que acabou não acontecendo em razão do holandês ter ficado de fora de ambas as partidas, por contusão. Quem conduziu a equipe em campo nas duas oportunidades foi Lodeiro, que marcou nas duas partidas e teve grande atuação. 

O fato de ser um jogo pela Copa do Brasil, cujo regulamento distinto induz as equipes visitantes a procurar o gol como principal objetivo, o Galo partiu com tudo pra cima do Bota até conseguir seu intento. Luan marcou depois de receber de Ronaldinho num contra-ataque mortal. Impetuoso, o time mineiro ainda teve boas chances de ampliar o placar. 

Mas o Botafogo não é um time qualquer que se sujeita às ações ousadas de seus adversários. Alem do mais, a história desse confronto registra que o Bota sempre leva vantagem, tanto que é o Galo é tratado pela torcida alvinegra como freguês de caderno. Pela Copa do Brasil já se cruzaram em duas oportunidades (2007 e 2008) e o Glorioso venceu os jogos no Rio e segurou empates sem gols em BH o que valeu a classificação. Ontem não foi diferente e a escrita prevaleceu. Aplicamos uma sonora goleada no poderoso campeão da Liberta, numa noite memorável para a torcida que compareceu ao Maraca (+/- 20 mil) e jogou junto com o time até o apito final.

O resultado que era amplamente favorável ao Bota até os minutos finais (4 a 1), com o último gol do Galo (41') diminuiu um pouco. O Bota se classifica para as quartas-de-final mesmo com uma derrota de 1 a 0, em BH.  

Dizíamos antes da partida que o Botafogo era um time pronto e equilibrado que jogava sempre da mesma forma quaisquer que fossem os adversários, o lugar e, agora, a competição e que não mudaria diante do Galo. 

Mesmo sem seu principal astro, o craque Seedorf, o time conseguia manter o padrão e se impor diante de um adversário categorizado, deixando pra trás todas as adversidades. E foi o que se viu ontem. Um time forte e consciente do seu poder que não se abalou com o domínio inicial do adversário e nem com o gol que levou (19'). Manteve o equilíbrio para buscar o empate e, embalado pelo canto forte de sua torcida, conseguiu o feito dez minutos depois. Salve o grande Lodeiro e seu golaço.

O time voltou do vestiário sem modificações, mas renovado, e virou o jogo aos 3 minutos, com um gol contra do zagueiro Leonardo Silva em jogada de Lodeiro pela esquerda. Botou frente com o terceiro nos pés do incansável Rafael Marques que acertou, aos 10 minutos, um tirambaço da entrada da área sem chances para o goleiro. 

Sem sair de cima, Vitinho - que foi o grande destaque da partida - deixou o seu (39') para delírio da torcida no Maraca. Só não foi melhor porque levamos um gol aos 43 minutos, o que renovou as esperanças de sobrevivência do Galo na competição depois de estar na UTI, respirando por aparelhos.

Vamos com tudo para BH em busca da classificação até porque não disputamos a Libertadores mas também não somos nenhum NewOldBoys's da vida pra tremer diante deles. #EuAcredito!

Boa sorte Fogão!