quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

De novo, El Tanque nos salvou


E a história se repete, dessa vez na Libertadores. Coincidência ou erro estratégico do time e do treinador? Reveja esse post e tire suas conclusões.










No domingo passado, com o post Com El Tanque e Wallyson em campo não tem placar em branco, falávamos de nossas expectativas pela volta do time principal à disputa de um jogo pelo Carioca, fato que havia acontecido uma única vez até então.

Depois de duas belas vitórias pela Libertadores, contra o Deportivo Quito e San Lorenzo, enfrentaríamos o bravo Duque de Caxias para, supostamente, embalar também nessa competição. A torcida esperava que o Botafogo A repetisse o padrão das exibições da Liberta e consolidasse essa formação. E claro, se possível, com uma goleada. Afinal de contas o adversário era o lanterna do campeonato e a dupla El Tanque e Wallyson estariam em ação com a tarefa supostamente facilitada.

Mas nada disse aconteceu. O time jogou muito abaixo do esperado. Criou poucas oportunidades e ainda sofreu um gol, já aos 33' do 2o. tempo, aumentando a nossa apreensão. Os jogadores pareciam desinteressados em campo e uma derrota a essa altura do campeonato seria terrível para a classificação no Carioca como para a sequência da Libertadores.


Mas El Tanque não deixou que o título do post se transformasse em zoação. Como num último suspiro em campo, conduzidos por Bolatti que havia entrado no lugar de Mattos, o time reagiu. Ferreira marcou o gol de empate (38') num tiro certeiro, depois de boa trama de todo o ataque e sofreu pênalti quando se livrava do goleiro, que Jorge Wagner converteu.

Wallyson esteve apagado na partida mas Ferreira honrou a dupla de artilheiros e nos salvou de um enorme vexame. Atuando como um verdadeiro centro avante, errou alguns lances fáceis, trombou com os adversários, mas deixou o seu abrindo o caminho pra reação.

Uh...El Tanque...Uh...El Tanque!

Por @Felipaodf/Botafogodeprimeira.com