quarta-feira, 5 de março de 2014

Hungaro é burro?



Muito se tem falado do planejamento (*) do Botafogo para esse 1o. semestre que previa a disputa simultânea de duas competições: o Campeonato Carioca, no qual o clube estaria buscando o Bi-campeonato, e a Libertadores da América, torneio do qual o clube esteve afastado por longos dezessete anos. Parecia evidente a todos (torcedores, comissão técnica e diretoria), que a Libertadores seria a prioridade e é assim que ela vem sendo tratada.

O elenco então foi dividido em dois grupos. O primeiro, composto por jogadores do time considerado principal que voltou de férias uma semana depois do segundo, composto pelos suplentes. Ficou acertado que o grupo principal disputaria a Libertadores e faria alguns poucos jogos pelo Carioca quando o calendário assim permitisse, enquanto o time B se encarregaria de buscar uma vaga no quadrangular final do Estadual. Decisão perfeita, não?

Na execução das ações planejadas, o time principal vem se apresentando bem na competição continental e depois de 4 jogos - dois deles pela fase de classificação, tornou-se líder do Grupo 2. Já o time B vem se apresentando muito mal no Estadual e ocupa a 6a. posição na tabela, com 15 pontos depois de 11 rodadas. Está a 6 pontos do Vasco, o 4o. colocado, e enfrenta muitas dificuldades para buscar a classificação para o G-4.

Com o baixo rendimento dos jogadores no Carioca (as jovens promessa não confirmaram as expectativas do ano passado e os veteranos ainda não se acertaram), até mesmo do time titular nas oportunidades em que atuou na competição, a classificação na fase de grupos da Libertadores, que parecia certa, foi colocada em cheque como se pudesse ser contaminada pela campanha abaixo do esperado no Estadual.

eduardo hungaro botafogo treino (Foto: Luciano Belford / SSPress)A princípio, o problema não seria o planejamento em si, mas o baixíssimo nível técnico do time B aliada a absoluta falta de motivação do time A pra jogar a competição estadual. Supunha-se que os reservas dariam a vida pra conseguir uma vaga no time principal que está jogando a Libertadores e, por conseguinte, alcançassem a vaga nas semifinais do estadual. Mas não foi o que aconteceu e todo o planejamento está sendo questionado com grande pressão sobre o técnico Eduardo Hungaro, rotulado de 'burro" nas redes sociais a cada mal resultado.

O Botafogo não pode ter o seu planejamento comparado ao do Flamengo, o outro representante carioca na competição continental, já que o rival não teve que jogar a pré-Libertadores (com viagem estafante até à altitude de Quito) e ficou com um calendário muito mais folgado para trabalhar. Não só por isso, mas também pelo bom rendimento de seu time B que já garantiu vaga na semifinal do Carioca enquanto o time principal faz uma campanha aceitável na Libertadores.

Os outros times brasileiros que disputam as duas competições têm adotado o mesmo procedimento de poupar os titulares em alguns jogos dos estaduais. O que mais se aproxima da situação vivida pelo Alvinegro Carioca é o Atlético-PR que também disputou a pré-Libertadores e encara o estadual com seu time sub-23. O Furacão, que ocupa 6o. lugar, com 12 pontos e também apostou em um novato como treinador para o estadual (Dejan Petkovic), vai a campo nesta quinta-feira (6), contra Maringá, buscando confirmar sua classificação entre os oito melhores (e não quatro como no Carioca) e avançar a segunda fase do Paranaense. Na Libertadores, depois de conseguir a classificação para a fase de grupos de forma dramática, o time principal ocupa a 3a. posição no Grupo 1, com uma vitória e uma derrota.

Não discuto a capacidade do técnico (sabidamente inexperiente), que pode ter se equivocado na escolha da estratégia de alguns jogos ou mesmo em algumas substituições como acontece com a grande maioria deles. Basta lembrar de alguns episódios protagonizados por Oswaldo de Oliveira quando dirigiu o time na campanha vitoriosa do ano passado e ao perder alguns jogos por falta de estratégia ou substituições mal sucedidas, foi duramente hostilizado pelo torcedor alvinegro. Na mesma proporção dos possíveis erros, enxergo acertos em quatro ou cinco jogos muito bons que o time fez, apesar da flagrante carência do elenco na posição de meia-armador.

Mas, enfim, cada um tem a sua visão do problema e igualmente a solução para resolve-la. Só não dou tanta importância a figura do técnico preferindo me ater à qualidade do elenco - o nosso demonstra muitas carências em sua formação e precisa ser urgentemente qualificado, ressaltando que nas vitórias pela Libertadores a torcida foi o fator decisivo lotando o Maracanã. O que você pensa de tudo isso?

Saudações alvinegras.

(*) O planejamento consiste em uma importante tarefa de gestão e administração, que está relacionada com a preparação, organização e estruturação de um determinado objetivo. É essencial na tomada de decisões e execução dessas mesmas tarefas. Posteriormente, o planejamento também a confirmação se as decisões tomadas foram acertadas (feedback).

Por @Felipaodf/Botafogodeprimeira.com