terça-feira, 15 de abril de 2014

Novos rumos no Botafogo com Mancini e Sheik



Depois da desastrosa campanha nesse início de temporada quando, comandado por Eduardo Hungaro, ficou fora da fase decisiva do Campeonato Carioca e em último lugar do Grupo 2 da Libertadores, o Botafogo começa a juntar os cacos do desastre e dá sinais de que quer trilhar o caminho da recuperação.

A Direção do clube, meio confusa ainda, começa a enfrentar a crise no futebol alvinegro atuando em duas frentes. A primeira, reparando a tentativa irresponsável de fazer do inexperiente Eduardo Hungaro o técnico da temporada no ano de volta do clube à disputa de uma Libertadores. O "treinador" foi rebaixado para o cargo de auxiliar e o clube fechou com Vagner Mancini, que chega com todo o seu staff. Essa mudança implicou na demissão de seis profissionais da antiga comissão técnica, entre eles o preparador de goleiros Flavio Tenius que trabalhou com Jefferson nos últimos quatro anos.  

Na segunda frente,  a diretoria iniciou mudanças também na composição do elenco com a saída do inexpressivo Henrique que foi para o Bahia e com a contratação de Emerson Sheik, um atacante à altura das tradições do clube. O zagueiro Bolivar também estava na lista de dispensas, não por deficiência técnica mas por ter batido de frente com o Presidente, mas a situação foi contornada e ele segue nos planos até o fim do seu contrato a pedido dos jogadores. 

Pelo termômetro das redes sociais, as três medidas tomadas pela diretoria até agora tiveram aprovação dos torcedores. Não sendo possível trazer Tite - o Top dos técnicos desempregados, Mancini era a melhor escolha e agradou a maioria. Quanto ao experiente Sheik, parece ser consenso que é um atacante de ponta. A única ressalva se refere a fama de jogador polêmico e desagregador o que seria desaconselhável para o ambiente conturbado em que estamos. Pessoalmente, espero que ele jogue bola e faça os gols que precisamos, justificando assim o esforço do clube. Quanto a saída de Henrique, vi pouquíssimas lamentações, enquanto a permanência de Bolivar foi muito comemorada já que sua experiência é considerada fundamental para encararmos os desafios que vem pela frente.

Emerson Sheik (35) é, inegavelmente, um atacante com perfil vencedor. As últimas conquistas do jogador mostram isso: Campeonato Brasileiro 2011, Copa Libertadores 2012, Copa do Mundo de Clubes da FIFA 2012, Campeonato Paulista 2013 e Recopa Sul-Americana 2013.

Como treinador, Mancini (47) passou por Vitória, Grêmio, Vasco, Cruzeiro, Santos e Atlético-PR. No Paulista de Jundiaí, conquistou o principal título de sua carreira: a Copa do Brasil de 2005, quando venceu o Fluminense na final. Antes de ser dispensado pelo Furacão, levou o time paranaense à final da Copa do Brasil e à conquista de uma vaga na Libertadores 2014, com o 3o. lugar no Brasileirão.

Lamentamos apenas o pouquíssimo tempo que o treinador terá pra colocar em campo um time capaz de encarar o poderoso São Paulo de Murici, no Morumbi, na estreia no Brasileirão.

Boa sorte Mancini...Honre nossa camisa, Sheik!