segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Prontos para a arrancada do returno




Montagem do BotafogoOficial
Vamos começar esse post por onde terminamos o anterior. Dizíamos que a primeira vitória de Ricardo Gomes, contra o ABC, serviria para dar tranquilidade à equipe e retomar a confiança do grupo para a dura sequência que viria pela frente, a começar pelo jogo contra o bom time do América-MG. Acesse o link e veja: Blog do Felipaodf: Caça ao Coelho

Apesar do sufoco que levamos no começo do primeiro tempo, que veio a se repetir na parte final do segundo, aos poucos conseguimos equilibrar o jogo mesmo saindo atrás do placar, o que havia ocorrido também contra o ABC. Mostramos força para empatar e, com inteligência tática e determinação, viramos o placar diante de um adversário categorizado - talvez o mais consistente que enfrentamos nesse turno.

O Coelho não sabia o que era perder no Independência há nove jogos. Foram oito vitórias e um empate, com aproveitamento de  92,5% jogando em casa - o melhor da competição. Só isso já daria a dimensão do nosso feito - uma vitória de virada (a segunda na mesma semana sob o comando de R. Gomes) de um time que está sendo (re)montado no meio da competição após a saída de jogadores importantes sobre um adversário já estruturado, invicto em seus domínios e que briga por posições no G-4. No final, prevaleceu a força de nossa camisa.


Reveja os melhores momentos da excelente vitória da Cachorrada sobre o Coelho




As consequências dessa vitória também foram significativas no posicionamento na tabela. Somamos 36 pontos na virada de turno, alcançamos a vice-liderança e trocamos de posição com o próprio adversário que caiu pra terceiro, com 34. Estamos a um ponto do líder Vitória, que venceu o Santinha no Barradão e atingiu 37 pontos.

Em relação à evolução da equipe, alertávamos que precisávamos melhorar muito em alguns fundamentos para voltarmos ao Rio com a vitória. Registramos que a nossa bola parada ainda era muito pobre assim como a cobertura dos laterais era falha. Apesar do gol de empate ter saído de um canhonaço de 95Km/h de Carleto direto no gol americano, o jogador não vem atravessando um bom momento e virou alvo preferido dos adversários para forçar o jogo. Sem dúvida, o lateral foi o mais "cornetado" nas redes sociais mesmo depois de empatar o jogo. Pela direita, Diego tem qualidades mas ainda é muito jovem e poderia sentir o peso da partida que valia seis pontos. Foi discreto no jogo e não comprometeu.

Ainda não foi dessa vez que vimos jogadores vindo de trás para arriscarem chutes de fora da área. Em compensação, o gol de Neilton, que nos deu a vitória, veio de uma trama bem armada por Elvis que havia entrado no jogo um pouco antes. O arremate do atacante já se deu dentro da área, com força e precisão.

Contra o ABC, Navarro foi um dos destaques do jogo ao marcar dois gols de cabeça. Um por oportunismo e outro completando uma assistência perfeita de Daniel Carvalho. Já nesse jogo, esse tipo de jogada não ocorreu. O uruguaio ficou isolado entre os zagueiros e não recebeu uma única assistência em condições de concluir ao gol. Não podemos abrir mão do jogador e de sua qualidade no jogo aéreo. Esse é um ponto que teremos que melhorar daqui pra frente e deve ser alvo de treinamentos.

Tabela atualizada dos 10 melhores colocados
Já mais ambientado no clube e com pouco mais de duas semanas observando o grupo, Ricardo Gomes parece mais seguro sobre a formação ideal da equipe para  atravessar essa tormenta. Em doses homeopáticas, como seu estilo e experiência recomendam, o treinador vem fazendo modificações na estrutura do time, mudando peças e o posicionamento dos jogadores conforme era desejo da torcida.

Na curta sequência de cinco jogos - empates contra Criciúma e Luverdense; derrota para o Santa; e vitórias sobre ABC e América-MG -, Gomes efetivou D. Carvalho na vaga que vinha sendo ocupada por Gegê; Jardel na de Octávio; Neilton na de Sassá; apostou em Navarro no lugar de Luis Henrique; e agora, prepara a efetivação de Elvis na posição do próprio Jardel. Esqueceu, providencialmente, do irritante Gegê; dos instáveis Dierson, Sassá e Fernandes; vem utilizando muito pouco Octávio e Luis Henrique e fará o mesmo com o inexpressível Jardel. Isso trouxe a necessária experiência à equipe e vai dando tempo para que os jovens amadureçam sem pressão - quem tiver qualidade, que permaneça para a campanha do próximo ano; quem não, que procure o seu destino em outros clubes.

A boa saída de bola do jogo contra o ABC não se repetiu contra o Coelho que, muito mais estruturado, exerceu uma marcação forte sobre a nossa defesa e nos deixou com uma única opção: recorrer ao velho "chutão", quesito em que o Renan Fonseca é nota 10. Por outro lado, Serginho não esteve tão seguro como nas vezes anteriores e proporcionou momentos de apreensão na torcida. Estava mal posicionado no lançamento nas costas de Carleto que originou o gol do adversário e, num segundo momento, não acompanhou o jogador mineiro, autor do gol. Giareta, mal posicionado dentro da área, também não conseguiu cortar o cruzamento.

Com esse pacote indesejável, quem sofreu mais uma vez foi o capitão Jefferson. O Paredão teve que se desdobrar debaixo da trave para impedir o gol de empate dos mineiros. Fez pelo menos três defesas difíceis mantendo a média de boas atuações e foi um dos destaques do time.

Mesmo assim, Daniel Carvalho conseguiu produzir boas jogadas caindo pela direita e teve em Neiton um bom companheiro que se deslocava bem lá na frente. Navarro foi isolado pela marcação e Arão, como nos velhos tempos, voltou a aparecer de surpresa na pequena área. Mas, como a fase técnica não é muito boa, as investidas do falso-meia não surtiram o efeito desejado.

A equipe voltou ao Rio com os três pontos mais importantes desse turno e ganhou dois dias inteiros de descanso. Na terça-feira volta a trabalhar duro para a arrancada do returno.

O próximo adversário será o Paysandu, que somou 30 pontos e ocupa a sétima posição na tabela. O jogão está marcado para o próximo domingo (23) no Nilton Santos, no novo horário nobre do futebol brasileiro: às 11 horas. Com dia e horário ideais, esperasse que os torcedores compareçam em massa e bata o record de público desse ano, no Niltão. A torcida parece estar motivada com a boa sequência de resultados e compareceu em bom número ao jogo de Belo Horizonte, apoiando e cantando o tempo todo. Mas, em se tratando do torcedor alvinegro (o mais enigmático entre todos os clubes brasileiros), é bom colocar as barbas de molho. Tanto pode bombar, como no jogo contra o Ceará (4x0) no Brasileirão de 2011, como pode babar a exemplo do que temos visto ultimamente.

Boa sorte Fogão na arrancada do returno!

Por @felipaodf/Botafogodeprimeira.com