segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Uma vergonha que pode e deve ser revertida já nesse jogo



Montagem do SouBotafogo
No último post de pré-jogo publicado no dia anterior ao confronto contra o CRB (clique e veja: Blog do Felipaodf: Hoje não, hoje não, hoje sim...)* nos utilizamos da célebre narração do Cléber Machado no Grande Prêmio da Áustria de Fórmula 1, envolvendo os pilotos Rubens Barrichello e Michael Schumacher, para falar dos traumas que o Botafogo vem, historicamente, imprimindo aos seus torcedores ao repetir sistematicamente o que eu chamei de síndrome do "hoje não" alvinegro. Quando não pode, não deve ou menos se espera, a equipe sempre decepciona estando com a faca e o queijo na mão para conquistar o objetivo da vez.

Sobre à síndrome, foi assim na campanha do Brasileirão de 2014 que resultou no descenso, nas derrotas para o Vasco nas finais do Cariocão desse ano, de novo na Copa do Brasil quando caímos para o Figueirense em condições inacreditáveis e agora, na campanha da Série B, com inúmeras chances de colocar frente sobre os concorrentes quando estávamos na liderança e mais recentemente, quando a rodada se mostrou favorável por três vezes seguidas e demos mole não conquistando os pontos.

Mas o post passado tinha um caráter otimista ao negar o "hoje não", transformando-o já diante do CRB. A esperança era de que fôssemos acabar com essa nhaca ou pelo menos adiá-la para quando tivéssemos margem para errar sem ameaçar à trajetória de volta à primeira divisão.

Agora não dá, Botafogo! Não temos mais paciência pra ver você cometendo erros primários de forma sistemática como tem ocorrido nessa sequência de horrores.

O returno começou, estamos indo para a 3a. rodada e o time ainda não venceu. Pior ainda, fomos derrotados duas vezes por adversários que havíamos vencido no primeiro turno. Esse péssimo começo, que bem reflete a queda de produção da equipe, mexeu com o humor da galera que subiu o tom das cobranças nas redes sociais. Tivemos TO protestando no desembarque da delegação no Rio e devemos ter um clima tenso no Nilton Santos caso o Botafogo tenha dificuldades pra vencer o Atlético-GO, coisa que não acreditamos e nem queremos cogitar.

A verdade é que o #PactoAlvinegro proposto pelo clube quando do lançamento dos uniformes 2015/16 está sub judice até que voltemos a vencer, principalmente em casa.

Com o resultado em Maceió, o time caiu para a 3a. posição cedendo a vice-liderança ao Paysandu - nosso algoz da semana passada. O time paraense, com viés de alta, venceu o Bragantino no Mangueirão somando os mesmos 36 pontos do Alvinegro, mas agora com uma vitória a mais (11). O Vitória continua líder da competição com 38 pontos, apesar do empate com o Oeste no Barradão. O América-MG, que perdeu para o Luverdense em casa, permanece no 4o. lugar e completa o G-4 seguido por Sampaio Corrêa, Náutico e Bahia, todos com a mesma pontuação (35 pontos).

São sete times embolados buscando o mesmo objetivo desde o começo da competição e nenhum conseguiu se desgarrar do grupo. Isso significa que, ao não vencer os seus compromissos, o Botafogo vai trazendo para si uma carga extra de tensão numa fase crítica da competição que talvez não tenha condições psicológicas de suportar. O time carioca é apontado por todos como principal candidato ao título desde o começo da competição e o time parece incomodado com essa condição de favorito. Como torcedor, estou me lixando para esse "título", mas espero que voltemos à elite do futebol com o mínimo de traumas possível.

Em mais um jogo marcado por baixa qualidade técnica nessa Série B, fomos surpreendidos pelo time alagoano. Assim como ocorreu contra o Papão no Rio, o Alvinegro começou a partida pressionando. Criou boas chances pra abrir o placar mas não converteu. Por sua vez, o CRB se aproveitou da nossa instabilidade e, com uma eficiência que nos tem feito falta ultimamente, marcou duas vezes antes que os botafoguenses se dessem conta do que estava acontecendo. Alguns falaram em apagão como se fosse uma situação esporádica mas ela é recorrente e passará para crônica se não for revertida rapidamente.

Aos 20 minutos do primeiro tempo o CRB abriu o placar com Cañete convertendo um pênalti inventado pelo árbitro de Giareta sobre Isac. Seis minutos depois o próprio Isac ampliou pra 2 a 0 num erro de marcação coletivo da defesa alvinegra. Pelo lado do Botafogo, Neilton o mais lúcido do jogo, descontou quatro minutos depois em jogada individual de puro talento. Fez lembrar as investidas de Jobson e Pimpão quando eram titulares da mesma posição, mostrando ter sido a melhor aquisição dos últimos tempos.


Clique e se torture com os lances e mais uma derrota do time de Ricardo Gomes

 



É certo que a saída de Daniel Carvalho por problema muscular ajudou a desarticular o time que perdeu em experiência e criatividade. Numa substituição pouco convencional, Ricardo Gomes lançou Sassá na posição deixando a armação nas costas e Elvis e Arão. Não funcionou. A presença de Sassá só foi notado quando perdeu gol feito no finalzinho do jogo ao cabecear pra fora uma bola fácil já dentro da pequena área.


Montagem do BotafogoOficial
O gol de Neílton, ainda no primeiro tempo, acendeu as esperanças de reversão do resultado. Quando o segundo começou, logo se viu que aquela conversinha milagrosa do vestiário não ia resolver nada (se é que houve cobranças no vestiário). E não resolveu. O Botafogo voltou pior ainda e fomos obrigados a presenciar cenas deprimentes praticadas com a gloriosa camisa alvinegra. Uma vergonha... Eu senti vergonha do que estava vendo pela TV.

Como ressaltado nos jornais, foram muitos "erros de passe, de posicionamento e até de domínio de bola". Nesse quesito, Carleto se destacou novamente ao deixar a bola escapar pela lateral quando tentava dominá-la. Só nos resta pedir proteção: São Nilton Santos, ajudai-nos!

Nem mesmo a expulsão de um jogador alagoano faltando 20 minutos pra terminar o jogo foi o bastante pra animar o "bando em campo". Um empate que fosse, nessa altura do jogo, já nos garantiria a segunda colocação e ajudaria a baixar a fervura de uma crise técnica que se aprofunda jogo-após-jogo.

Na verdade, o que vimos foi Helton Leite nos salvar de um desastre maior ao sair com os pés em dois lances importantes do ataque alagoano. Ele fez a sua primeira partida oficial do ano e mostrou as mesmas qualidades demonstradas na temporada passada.

Mesmo com a fragrante queda de desempenho da "melhor defesa do campeonato", a média de gols tomadas vem subindo ultimamente. Dos 17 gols sofridos em 21 jogos na Série B, oito foram anotados nas últimas cinco partidas. O Botafogo perdeu três delas e ganhou apenas duas com um aproveitamento de 40%. Isso fez a média cair na competição atingindo 57,1% dos pontos disputados. Por incrível que pareça, ainda temos o melhor ataque da competição também.

Para o jogo contra o Atlético-GO, time com o qual empatamos no 1o. turno, em Brasilia, o Botafogo deve ter poucas mudanças como é da característica de Ricardo Gomes apesar das últimas atuações da zaga pedirem mudanças profundas. O certo é que o capitão Jefferson (seleção) e Daniel Carvalho (problema muscular) ficam de fora. Helton Leite deve continuar no gol e Jardel entrar pelo meio, com possibilidades para Luis Ricardo que pode ser deslocado para a posição com o jovem Diego entrando na lateral.

Apesar de ter feito um treinamento fechado nesta segunda-feira, o restante do time deve ser o mesmo da derrota para o CRB: Helton Leite, Luis Ricardo, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; Serginho, Willian Arão, Jardel e Elvis; Neilton e Navarro.

Precisamos manter o foco no objetivo maior que é voltar à primeira divisão. Para isso acontecer, bastava vencer os dez jogos programados para o Niltão, no returno. Como a vitória em casa não veio contra o Paysandu e nem recuperamos os pontos jogando fora contra o CRB, a ordem e retomar as vitórias em casa e buscar uma fora pra zerar essa conta começando pelo rubro-negro goiano. Assim espero.

O Botafogo recebe o Atlético-GO no Nilton Santos, às 21h30 dessa terça-feira.


Por @felipaodf/Botafogodeprimeira.com


*diga-se de passagem, o post passado bombou na internet (para os nossos padrões) com mais de 530 acessos e repliques.