quarta-feira, 2 de março de 2016

Botafogo ganha personalidade e equilíbrio após os clássicos graças ao trabalho de Ricardo Gomes





Arte do Lancenet
O Botafogo ganhou personalidade e se mostrou um time mais equilibrado na disputa dos clássicos contra o Fluminense - a quem venceu com facilidade por 2 a 0 - e o Vasco - com quem empatou em 1 a 1 após sair perdendo o 1o. tempo. E isso se deveu, essencialmente, ao esquema montado por Ricardo Gomes que promoveu mudanças na escalação justamente quando se temia o pior em razão do futebol pobre que a equipe vinha apresentando no Carioca nas cinco vitórias consecutivas conseguidas contra os pequenos. O time passou a jogar com uma linha de três volantes que saem pro jogo; dois atacantes e; um meia que flutua entre a 1a. linha de defesa e a área adversária como se fosse um 3o. atacante. Se não for isso, me corrijam nos comentários!

O Bota atropelou o Fluminense. O placar de 2 a 0 construído ainda no 1º tempo foi modesto diante da superioridade do time alvinegro na etapa inicial. Gomes inovou na escalação, mandando a campo uma dupla de atacantes formada pelos jovens Ribamar (20 anos) e Luis Henrique (19 anos); uma dupla de zaga, até então inédita na temporada, formada por Joel Carli e Emerson da base; e mantendo o tripé de volantes lançado no jogo anterior, contra a Cabofriense. Essa ousadia do treinador alvinegro foi o bastante pra anular o time tricolor que, pressionado em seu próprio campo desde o primeiro minuto de jogo, não esboçou reação.


* Sobre a nova dupla de zagueiros e a postura do time nos clássicos, falou o goleiro Jefferson hoje: O goleiro elogiou a postura do Botafogo, de começar a morder na marcação lá no ataque, e elogiou a dupla Carli e Emerson, autor do gol de falta no empate por 1 a 1 com o Vasco, em São Januário. - Até a gente se emocionou. É um garoto que vem conquistando espaço no time, o Ricardo (Gomes) acreditou sempre no trabalho dele. Não somente pelo gol, que foi a cereja do bolo, mas pelas atuações que vem tendo. Ele nem conseguiu dormir, ficou lá chorando, mas faz parte do momento do garoto. Importante até a própria liderança do Carli. Deixou bem claro que é um cara que fala bastante, orienta, independentemente se fala português ou não.

Os clássicos em sequência e em curto espaço de tempo (um na quarta e outro no domingo) era o teste que faltava para o time remodelado de Gomes. E passamos no teste com louvor, quando as perspectivas eram as piores possíveis pelo porte dos adversários: O Flu com seu forte elenco e o Vasco por ser um time mais bem ajustado.

Fizemos, contra o Flu, a melhor exibição na temporada, o que serviu para amenizar a angústia do torcedor botafoguense que andava (e ainda anda) muito desconfiado do grupo. A vitória do Bota foi tão convincente (apesar do placar curto de 2 a 0) que derrubou o já combalido treinador Eduardo Batista, demitido ainda no vestiário.

O Botafogo dominou todo o primeiro tempo. Mais organizados em campo, abriu o placar com um gol de Gegê aos 10 minutos de jogo e fechou com Ribamar aos 23 minutos, que marcou o seu primeiro gol como profissional com a  camisa do clube. Na etapa final, o time das Laranjeiras veio com algumas modificações, teve mais posse de bola mas pouco incomodou o goleiro Jefferson. Com boa marcação e mostrando tranquilidade, os botafoguenses administraram o resultado e saíram com uma merecida vitória no final.


Veja o que escrevemos no post de pré-jogo: Blog do Felipaodf: Botafogo bate o Tricolor com nó tático de Ricardo ...


Entenda as nuances táticas da partida na análise do companheiro @FogoTatico em: https://fogotatico.wordpress.com/2016/02/26/2345meia78/ …



Arte do Botafogo Oficial
Contra o Vasco, que liderava o Grupo A com 17 pontos e jogava em seus domínios, o negócio foi mais difícil. Com os dois times já classificados para a próxima fase, espera-se um jogo mais solto e descompromissado das equipes e até com muitos gols. Essa era a nossa perspectiva para o clássico dos "aliados", e o que aconteceu não ficou muito longe disso.

O placar foi magro mas sobrou emoção com bola na trave do Botafogo num tirambaço de Nenê, sassaricos de Riascos pelo lado esquerdo da nossa defesa, Ribamar perdendo gol diante de Martín Silva e Neilton e Salgueiro entrando pra colocar fogo no jogo.

Oportunista e numa noite mais inspirada do que o normal, Riascos deixou o dele aos 15 minutos do segundo tempo numa falha individual do lateral Diogo Barbosa que lembrou Carleto na tentativa de interceptação de um lançamento para Éder Luiz nas suas costas. O atacante vascaíno, que veio do banco para dar mais fôlego ao seu time, cruzou rasteiro para o meio da área onde achou Riascos que empurrou para as redes.

O empate alvinegro veio no fim, aos 41 minutos, em falta cobrada por Emerson. Lembrando o antigo zagueiro Juninho, o jovem zagueiro mandou um petardo certeiro no ângulo superior direito do gol vascaíno que o goleiro Martin Silva está procurando a bola até agora. Foi o primeiro gol do novo Canhão de General Severiano como profissional, lembrando que Emerson costumava marcar também nos jogos que fez na base.

Era o empate justo num jogo entre os líderes da competição. O Vasco foi levemente superior e teve maior posse de bola (principalmente no 1o. tempo) mas o Botafogo soube suportar a pressão e buscar o empate (que veio no final) com a mesma organização e tranquilidade mostrada no jogo contra o Fluminense. A isso se dá o nome de maturidade.


Golaço de Emerson de falta - Vasco 1 x 1 Botafogo - Campeonato Carioca 2016




Nos minutos finais, já com Neilton e Salgueiro em campo e as modificações feitos por Jorginho no time do Vasco, o jogo, que era morno, voltou a ficar movimentado e aberto com as duas equipes buscando do gol da vitória que acabou não saindo. Com o resultado, os cruzmaltinos seguem na ponta do Grupo A e os alvinegros na ponta do Grupo B, mas o Glorioso perdeu os 100% de aproveitamento.

Vamos em frente, lutar pra manter a liderança nas últimas rodadas.


Por @felipaodf/Botafogodeprimeira.com