sábado, 7 de maio de 2016

Vamos virar esse jogo no campo e na arquibancada... Pra cima deles Fogão!




Chamada para o jogo do Botafogo Oficial
O Botafogo finalizou a semana de treinamentos para a decisão contra o Vasco em grande estilo. O time foi saudado em General Severiano na manhã do sábado por um contingente significativo de torcedores - avulsos e de Organizadas -, que lá compareceu para apoiar o time e levar confiança aos jogadores alvinegros para a final.


O grupo de jogadores trabalhou taticamente e concluiu a prática  com um rachão descontraído, sempre incentivado pelos torcedores que, ao final, foram brindados com às atenções do goleiro Jefferson, o mais experiente do grupo e dos atacantes Luis Henrique e Ribamar representando a juventude alvinegra. Os jogadores tiraram fotos e distribuíram autógrafos ao tempo em que foram cobrados pelo título. Uma atitude elogiável da Diretoria que serviu para estreitar as relações entre time e torcedor às vésperas do Dia D do título.



Capitão Jefferson tira foto com a torcida alvinegra
 após o treino. É muito ídolo! (Botafogo Oficial)
Contudo, só saberemos os efeitos dessa comunhão na partida decisiva de hoje no Maracanã que deve receber um público superior a 51 mil pessoas - carga total de ingressos disponibilizada para a partida. A mobilização das torcidas nos dias que antecederam o jogo permite prever casa cheia, com uma procura maior por parte dos cruzmaltinos que esgotaram a sua cota no Setor Sul e zonas mistas muito antes do que os alvinegros que, em ritmo mais lento, ainda podem encontrar ingressos para o Setor Norte neste domingo. Na primeira partida, com uma carga de ingressos menor, tivemos 43.822 presentes no estádio.


Vê-se, no semblante de Ricardo Gomes, um ar de satisfação em ter trazido o time até esse ponto. E isso se deve ao drama que o técnico passou depois do grave problema de saúde que foi acometido em 2011 até ser resgatado como profissional pelo Botafogo, clube que o acolheu no ano passado. Já que chegou, agora ele quer o título a exemplo do que ocorreu na temporada de 2015 com o acesso antecipado ã elite e a conquista da Série B depois de um trabalho vitorioso e inspirador de remodelagem da equipe. O treinador acredita firmemente na possibilidade de reversão da vantagem cruzmaltina conseguida com a vitória por 1 a 0 na primeira partida pelo fato do Botafogo já ter conseguido esse feito contra o Fluminense na semifinal, quando o time tricolor jogava por um empate, e ter sido superior ao time vascaíno no jogo passado, quando pecou "apenas" nos arremates a gol - a maior deficiência dos alvinegros em toda a temporada.


Entenda melhor essa situação revendo o que escrevemos essa semana sobre o tema: Vamos lutar até o último momento pelo título


L. Henrique, Ribamar e Sassá também agradeceram
 o apoio da torcida alvinegra após o treino
(Botafogo Oficial)
Os dois times se equivalem, cada um com as suas virtudes. No primeiro jogo, o Vasco se valeu da experiência de seus jogadores como Rodrigo, Júlio Cesar, Andrezinho, Jorge Henrique e Nenê para segurar a pressão exercida pelo time alvinegro, principalmente no primeiro tempo, e se manter invicto na competição. Com a possibilidade de levar o título com um empate simples, o adversário tem a seu favor a tranquilidade do resultado e não deve mudar a forma de jogar no confronto decisivo de domingo.


Apesar de ter mostrado ousadia na partida, de ter exercido uma marcação forte no campo adversário e se valer de contra-ataques bem encaixados pelo meio, o Botafogo não conseguiu furar o bloqueio cruzmaltino por falta de experiência, um grau extra de ansiedade e/ou deficiência técnica dos homens de frente que perderam chances claras de gol nos dois tempos da partida. Contudo, Gomes não deve mudar a maneira do time jogar, apostando que dessa vez a bola vai entrar no gol vascaíno, mesmo que encontre pela frente um Martin Silva inspirado como ocorreu no primeiro confronto.


Nenê, o homem de referência cruzmaltino, andou sumido no primeiro tempo daquela partida mas apareceu muito bem no segundo ao se livrar de dois marcadores pela esquerda e fazer um cruzamento certeiro na cabeça de Luis Henrique. Dentro da área e livre de marcação, o baixinho escorou a bola para o gol encobrindo o goleiro Jefferson que saiu mal no lance. Mesmo com o revés, o Botafogo mostrou poder de reação e criou situações claras de gol que não foram convertidas. Além do resultado adverso, os alvinegros ainda lamentaram a expulsão de Sassá que, após seis meses fora se recuperando de uma cirurgia no joelho, havia entrado para incendiar o jogo e não conseguiu ficar mais do que cinco minutos em campo depois de um carrinho perigoso em Jorge Henrique.


Veja como foi a semana de treinamentos do Fogão antes do clássico decisivo de domingo: Gomes não inventa e apronta o time da final


Provável escalação do Botafogo para a decisão
 no Maraca (Ricardo Oliveira ‏@ricardomanchete)
Depois das atividades deste sábado na sede de General Severiano, Ricardo Gomes não revelou o time e diz ter dúvidas se sairá jogando com Fernandes ou Gegê. O restante do time não deve ser diferente do que treinou durante a semana com Emerson ao lado de Carli na zaga e o jovem Leandrinho pelo meio.


O mais provável é que teremos Jefferson, Luis Ricardo, Carli, Emerson Silva, Diogo Barbosa; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Gegê (Fernandes), Leandrinho; Salgueiro e Ribamar. Airton treinou com o grupo mas deve ficar como opção no banco.


No começo da semana, Gomes testou alternativas para deixar o time mais ofensivo colocando Airton e Lizio nas vagas de Bruno Silva e Fernandes (Gegê) e ainda, Diego e Neilton nas vagas de Luis Ricardo e Salgueiro e está pronto pra usá-las em caso de necessidade.


A questão agora é controlar a ansiedade do grupo, principalmente dos mais novos e daqueles que nunca haviam jogado uma partida no Maraca até o jogo de domingo, ainda mais valendo título - vide o caso de Sassá que foi inscrito às pressas no Carioca na vaga do zagueiro Emerson e só ficou em campo por 5 minutos. Dentre eles, o exemplo maior é o jovem Ribamar de 18 anos, que há quatro meses atrás estava na equipe sub-20 e foi convocado por Gomes para completar o grupo que viajaria para a cidade de Domingos Martins-ES onde o Botafogo fez a sua pré-temporada, e hoje é o principal atacante do time e carrega um peso enorme nas costas, inclusive barrando o seu companheiro Luis Henrique que também tem 18. O que se falar de Leandrinho que ganhou vaga no time titular justamente nas duas partidas finais que valem o título?


Para o jogo decisivo no Maraca, precisamos vencer o Vasco por dois gols de diferença para levantar a Taça de forma direta. Em caso de vitória simples, o Bota elemina a vantagem do adversário e o título será decidido na cobrança de pênaltis.


A presença e apoio da torcida alvinegra será
 fundamental no jogo decisivo (Imagem da internet)
A trajetória do Botafogo na temporada foi de um time esforçado que ganhou consistência ao longo da competição. Mesclando jogadores cascudos com jovens oriundos da base, começou o Carioca como o mais desacreditado dentre os grandes e mostrou, com o bom trabalho de Ricardo Gomes, ser merecedor de estar nas finais brigando pelo título. Fez jogos muitos ruins contra os "pequenos" mas se agigantou pra cima dos rivais quando precisou. Mesmo tendo Jefferson como referência, o forte da equipe sempre foi o entrosamento e a dedicação de cada um dos jogadores mesmo que com deficiências técnicas. E é com essas características que vamos bater de frente contra o experiente e invicto time vascaíno com grandes chances de levarmos a Taça para General Severiano como fizeram Jefferson e Seedorf em 2013.


Só nos resta torcer para que tudo dê certo em campo no domingo como deu em todas as atividades preparatórias para o clássico, e que a torcida empurre o time pra vitória como bem fez hoje em General Severiano, comparecendo em peso e incentivando os jogadores que ficaram sensibilizados com o carinho. Vamos virar esse jogo no campo e na arquibancada... Pra cima deles Fogão!



Saudações a todos e fiquem à vontade para comentar.


 Por @felipaodf/Botafogodeprimeira.com