sábado, 25 de março de 2017

Domingo é dia de reagir... Vamos Ganhar Fogão!




Domingo tem Botafogo! Vamos em busca da vitória! 
Pra cima, Fogão! #VamosGanharFogo
O Botafogo se reapresentou na tarde de sexta-feira no estádio Nilton Santos dando início aos treinamentos visando o jogo contra o Bangu, neste domingo, às 16h, em Moça Bonita, casa do adversário. Isso, depois da derrota desconcertante sofrida para o Fluminense no clássico da terceira rodada da Taça Rio. O time alvinegro colocou frente de dois gols sobre o visitante no primeiro tempo e tomou a virada por 3 a 2 no segundo, numa sequência de falhas individuais grotescas de seus jogadores.

Ontem, enquanto os reservas participaram de um treino tático no campo anexo, os titulares permaneceram na academia em atividades regenerativas. Ontem, sábado, os jogadores fizeram o apronto final quando Jair definiu o time que enfrenta o Bangu de Loco Abreu num duelo entre o atacante uruguaio e o ex-clube alvinegro onde marcou época e deixou saudades como ídolo da torcida.


O Fogão quer se manter vivo em busca da classificação! 

E aí, Alvinegro, confiante no time? (Canal Premiere)
Sem poder contar com Carli que ainda sente os efeitos de um trama no pé direito sofrido no jogo de quinta-feira e com Camilo, Airton e Bruno Silva poupados por desgaste físico, Jair Ventura deve mandar a campo um time alternativo. Sem os dois volantes titulares, o treinador pode utilizar o consagrado esquema com três volantes utilizado com sucesso no Brasileirão do ano passado promovendo as entradas de Lindoso, Dudu Cearense, Fernandes ou João Paulo. A defesa seria a mesma que terminou o jogo contra o Flu e o ataque, com Rodrigo Pimpão e Roger, o mesmo que começou o jogo.

O clássico contra o Flu na quinta-feira começou movimentado e, desde o início, o Botafogo tomou as rédeas da partida. No primeiro minuto de jogo o zagueiro Emerson obrigou Cavalieri a fazer grande defesa e já, aos dezesseis, abriu o placar com um gol de Roger. O centroavante foi lançado na entrada da área e bateu rasteiro para vencer goleiro tricolor.

Mesmo com a vantagem no placar, o Botafogo continuou em cima e conseguiu ampliar o marcador aos 25 minutos. Numa escapada de contra-ataque, Montillo tabelou com Roger que, meio sem jeito, passou pelo marcador e tentou encobrir Cavalieri. O goleiro tricolor fez a defesa parcial mas a bola voltou para o atacante que tocou para a rede fazendo o seu segundo gol na partida.

Meio atordoado com a supremacia alvinegra, o Tricolor tentou reagir. Aos 32 minutos Sornoza acertou o travessão em cobrança de falta da entrada da área. Em seguida, aos 36', Douglas obrigou o jovem goleiro Saulo, que fazia a sua estreia no time principal, apraticar uma grande defesa em cobrança de falta. Apesar da pressão, o Botafogo foi para o intervalo com a vantagem confortável no placar.

Já com Renan Fonseca na vaga de Carli (o que para muitos, tirou a confiança do time e desarticulou o sistema defensivo), o Botafogo voltou morno para o segundo tempo e um tanto desconcentrado em campo. Paralelo a isso, com modificações pontuais feitas por Abelão, técnico tricolor, o Fluminense "voltou para o jogo" e aos 11 minutos marcou o seu primeiro gol em boa jogada de Wellington Silva pela direita. O atacante forçou a jogada em cima de Bruno Silva (que não fez a falta quando podia), entrou na área e foi derrubado pelo volante alvinegro. O árbitro, que travou o jogo o tempo todo e irritou os jogadores, marcou pênalti que Richarlison converteu. Saulo acertou o canto mas faltou agilidade para a defesa - a bola passou por baixo do corpo do goleiro.

No troco, Renan Fonseca aproveitou bola levantada na área e acertou o travessão tricolor. Decidido, o Fluminense foi em busca do gol do empate. Após contra-ataque rápido, Richarlison, o destaque tricolor na partida, recebeu na área e chutou forte para a rede. Saulo falhou feio ao tentar a defesa com a bola passando por suas mãos.

Diante de um Botafogo atordoado, o Fluminense partiu para cima e conseguiu, com certa facilidade, o gol da virada aos 23 minutos. Richarlison fez boa jogada pela linha de fundo, passou fácil por Airton (que optou por não fazer a falta porque já estava amarelado) e cruzou rasteiro para Renato Chaves marcar na pequena área.

Daí pro fim do jogo, as chances se sucederam de lado a lado. O Bota quase empatou numa cabeçada de Sassá que havia entrado no lugar de Roger e com Guilherme que penetrou na área e foi calçado pelo lateral tricolor. Carimbando a sua atuação duvidosa, o árbitro ignorou a falta e ainda amarelou o atacante alvinegro sugerindo simulação no lance. A "autoridade" ainda teve tempo de expulsar o treinador alvinegro que se revoltou com o pouco tempo de acréscimo (3') depois de tantas substituições no segundo tempo.

Vida que segue mas a impressão que fica e que o time ou se desinteressou da partida antes do tempo ou faltou gás e estratégia para impedir a reação tricolor no segundo tempo. A importância do Estadual é relativa diante das prioridades na temporada mas esse resultado, nas circunstâncias que foi, mancha a sequência do time na competição e acende o sinal de alerta em relação ao baixo rendimento de certos jogadores ao se projetar aos duelos duríssimos que nos espera na Libertadores daqui a vinte dias. O Botafogo não venceu nenhum clássico esse ano: Fla 1 a 0; Vasco 0 a 0 e; Fluminense 3 a 2.

Dos que saíram jogando, não gostei da estreia de Saulo que, inseguro, falhou feio no segundo gol; de Marcinho que, diante da nossa carência temporária na posição, parece não estar pronto para assumir vaga na Liberta; de Camilo que andou sumido também nesse jogo e está longe daquele jogador que se destacou no final do ano passado e; dos volantes Airton e Bruno Silva que, amarelados prematuramente, deram mole nos lances capitais que originaram a virada tricolor.

De Renan Fonseca nem é preciso falar. Apesar de não ter tido culpa direta nos gols que o Botafogo tomou, é um jogador limitado que consegue piorar as suas atuações diante da cobrança implacável da torcida. Na leitura rasa do torcedor, é assim que funciona: sem Renan em campo, Botafogo 2 a 0 e com Renan em campo, Botafogo 2 a 3.


Classificação do Grupo B após a 3a. Rodada (Arte SporTV)
No segundo turno do Estadual (Taça Rio), o Alvinegro estreou com uma vitória por 1 a 0 sobre o Volta Redonda, empatou com o Vasco (0 a 0) na segunda rodada e foi derrotado no clássico contra o Flu, na terceira (3 a 2). Com isso, somou apenas 4 pontos e ocupa a terceira posição no Grupo B atrás de Flamengo, que lidera o grupo com 9 pontos, e Nova Iguaçu, que está em segundo, com 7 pontos ganhos.



Classificação parcial dos dois turnos (Arte SporTV)
Já na classificação geral, o Bota, seguido de perto pelo Madureira (11), continua com os mesmos 11 pontos (3v, 2e, 3d), ocupa apenas a 5a. posição e está fora da zona de classificação. O Flamengo lidera com 24 pontos, seguido de Fluminense com 21, Vasco com 14 e Nova Iguaçu com 13.

Os campeões de turno - o Fluminense ganhou a Taça Guanabara e já está classificado - e os dois mais bem ranqueados na classificação geral participam do quadrangular decisivo do campeonato.


Essa era a nossa perspectiva de antes do clássico registradas no post de pré-jogo, veja: Blog do FelipaoBfr: Precisando vencer, Botafogo vai com força máxima no clássico contra o Flu... . O que se esperava contra o Tricolor das Laranjeiras e na sequência do campeonato é que o time entrasse em campo com a mesma vontade demonstrada nos jogos pela Libertadores; que apresentasse evolução técnica e padrão tático mais bem definido para vencer no Carioca, somar pontos e participar do quadrangular final da competição e o que se viu foi um vexame. Ficamos no aguardo, Botafogo!


FICHA TÉCNICA
BANGU X BOTAFOGO

Local: Moça Bonita, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 26 de março de 2017 (Domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Alexandre Tavares de Jesus (RJ)
Assistentes: Rodrigo Henrique Corrêa (RJ) e Daniel Alves Pereira (RJ)

BANGU: Márcio, João Guilherme, Anderson e Rafael Henriques; Daniel, Bruno Bêra, Raphael Augusto, Leandro Chaves, Washinton e Guilherme; Loco Abreu
Técnico: Roberto Fernandes

BOTAFOGO: Saulo, Marcinho, Renan Fonseca, Emerson Silva e Víctor Luís; Rodrigo Lindoso, Dudu Cearense e Fernandes (João Paulo); Montillo; Rodrigo Pimpão e Roger
Técnico: Jair Ventura

Saudações a todos e fiquem à vontade para comentar.