quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Depois do desastre de sábado, o Botafogo recebe o Palmeiras em busca da reabilitação





Pra cima, FOGO! Quarta é dia de Botafogo, dia de Estádio 

Nilton Santos! (Botafogo de Futebol e Regata)
Depois de uma exibição de gala na última quarta-feira quando venceu o Galo Mineiro pelo placar de 3 a 0 e passou às semifinais da Copa do Brasil, o Botafogo decepcionou a sua torcida no sábado passado ao entregar uma vitória que parecia certa sobre o São Paulo, por 3 a 1, pelo Brasileirão. Os Alvinegros saíram de campo derrotados por 4 a 3 numa virada conseguida nos oito minutos finais da partida. Uma situação imperdoável sobre todos os aspectos, mesmo com cansaço da equipe alegado por Jair Ventura ao final do jogo.

Fomos do céu ao inferno num espaço três dias. Coisas que só o Botafogo é capaz de proporcionar ao seu torcedor. Mas vamos em frente, até porque esse mês de agosto será ainda mais duro do que foi julho. Teremos jogos decisivos pelas quartas de final da Libertadores contra o Nacional-URU, pelas semifinais da Copa do Brasil contra o Flamengo e embates encardidos, como o desta quarta contra o Palmeiras, pelo Campeonato Brasileiro.


Veja a maratona de jogos programados para esse mês: 

02/08 - CAMPEONATO BRASILEIRO (21:45)
BOT 1 ×2 PAL

06/08 - CAMPEONATO BRASILEIRO (16:00)
CRU × BOT

10/08 - TAÇA LIBERTADORES (19:15)
BOT × NAC

13/08 - CAMPEONATO BRASILEIRO (19:00)
BOT × GRE

16/08 - COPA DO BRASIL (21:45)
BOT × FLA

20/08 - CAMPEONATO BRASILEIRO (11:00)
PON × BOT

23/08 - COPA DO BRASIL (21:45)
FLA × BOT


Clique e veja a tabela completa com todas as rodadas até o fim do Brasileirão: TABELA DO BRASILEIRÃO 2017 (JOGOS DO BOTAFOGO)


Absorvido o impacto (será?), o time voltou a se reunir ontem no campo principal do Nilton Santos para um treino-apronto antes do difícil compromisso contra o Palmeiras, quarto colocado no campeonato. A partida está marcada para às 21h45 no Niltão e é válida pela 18a. rodada do Brasileirão, a penúltima do primeiro turno.

O Bota fez uma partida deplorável contra o SP no que se refere ao resultado final. Daquelas que o torcedor vai se lamentar por toda a temporada. Não só pela perda dos três pontos que pareciam certos e nos deixaria na porta do G-6, mas também pela forma como ela ocorreu.

Os times fizeram um jogo aberto no Nilton Santos, um dos mais movimentados do Brasileiro até agora. Com duas viradas no placar, uma para cada time, a torcida ficou ligado do primeiro ao último minuto da partida. Na última delas, o Tricolor marcou três gols no espaço de oito minutos revertendo um placar que era favorável ao Botafogo por 3 a 1.

Cueva abriu os trabalhos aos 17 do primeiro tempo numa bobeira sem precedentes de João Paulo; Hernanes, que voltava ao clube de origem, deixou o dele empatando o jogo em 4 a 4 aos 41 do segundo tempo; e Marcos Guilherme, que também estreava, entrou no final e marcou dois gols. Um aos 39 do segundo tempo começando a reação dos paulistanos e outro aos 47, fechando o placar em 4 a 3.

Antes, o Bota havia revertido o placar desfavorável de 1 a 0 para 3 a 1, com dois gols de Marcos Vinícius e outro de Guilherme. No primeiro, aos 19 do primeiro tempo, o meia chutou de canhota da entrada da área com a bola entrando rasteira junto a trave e no segundo, arriscando de direita de fora da área aos 25, contando com a falha do goleiro adversário. Guilherme, que havia entrado no segundo tempo para dar gás novo à equipe, marcou aos 23 em chute de primeira ao receber um passe açucarado de Luis Ricardo pela direita.

Faltou ao time carioca malícia de jogo para sustentar a boa vantagem construída na metade do segundo tempo. Uma vantagem conseguida após Gatito defender um pênalti marcado equivocadamente pelo árbitro de Carli sobre Wellington Nem - o mesmo que havia ignorado um toque de mão claro de um contrário em cobrança de escanteio ainda no primeiro tempo.

O cansaço pesou, é fato, mas a falta de concentração após construir a vantagem foi fatal para o time alvinegro. Depois dos 3 a 1, o Bota ainda criou algumas chances para ampliar a vantagem mas deu espaços ao adversário para contra-atacar. Nesse ínterim, Jair Ventura promoveu a estreia do atacante Brenner quando seria mais prudente lançar o meia Leandrinho para controlar o meio de campo como fizera no final do jogo contra o Galo. Num outro momento, o treinador foi obrigado a substituir o lateral Victor Luis o que desestruturou de vez o já combalido sistema defensivo. O jovem Lindenberg entrou na fogueira e, sem entrosamento com o time, mostrou insegurança diante de tão grande desafio.

Por outro lado, com as substituições ousadas promovidas por Dorival Junior, o time paulista passou a buscar o resultado que parecia impossível. Descansados, Wellington Nem e Marcos Guilherme partiram pra cima da zaga alvinegra e, com Cueva e Hernanes, construíram a virada expressiva.

Se na Copa do Brasil as coisas estão resolvidas temporariamente (faltam apenas dois jogos para chegarmos à final da competição, o que não acontece desde 1999 quando deixamos o título escapar para o Juventude-RS), nesta quarta já temos compromisso contra os comandados de Cuca, pelo Brasileirão. O adversário frequenta o G-4 com 29 pontos, cinco a mais do que o Glorioso que patina na tabela


Tabela atualizada após a 17a. rodada do Brasileirão. Com a 
derrota para o São Paulo, o Botafogo continua com 
24 pontos, na sétima posição. (FoxSports)
Com a derrota na rodada, o Botafogo permaneceu com 24 pontos estacionado na 7a. posição, faltando ainda o jogo do Fluminense, adiado pela CBF.

O aproveitamento que era de 50% caiu para 47%. Mesmo assim, é uma campanha bem razoável para quem luta em três frentes simultâneas. São seis vitórias (quatro em casa e duas fora), seis empates (dois em casa e quatro fora) e cinco derrotas (duas em casa e três fora) até aqui.

Se o Bota perdeu a chance de chegar ao G-6 jogando em casa contra mais um adversário vindo do Z-4, a tarefa será muito mais difícil agora contra o quarto colocado. O Palmeiras vem de duas vitórias seguidas, a terceira nos últimos cinco jogos. Tem ainda um empate e uma derrota nesse intervalo.

Apesar da derrota desmoralizante do fim de semana, o Botafogo ainda reúne boas condições para buscar uma vaga no G-6 e repetir o feito do ano passado quando conseguiu chegar à Libertadores. Basta absorver essa derrota dolorosa, aprender com os erros cometidos, retomar a concentração demonstrada nas competições de mata-mata e aplicá-la ao Brasileiro.


No histórico, a vantagem é Palmeirense! Será que o Botafogo

 vai diminuir essa diferença? (Canal Premiere) 
Conforme as estatísticas do confronto, Botafogo e Palmeiras já se enfrentaram 53 vezes pelo Brasileirão. Foram 21 vitórias para os paulistas contra 17 dos cariocas, e 15 empates. O Palmeiros marcou 88 gols enquanto o Botafogo marcou 81.

Sem tempo para treinamentos específicos e com o resultado atípico do último fim de semana, Jair Ventura deve mandar a campo a força máxima disponível apesar de ter atribuído ao cansaço o resultado desastroso.

Apesar de Jefferson ter treinado com o grupo, Gatito Fernandez deve continuar no gol alvinegro com Helton Leite na reserva. O lateral Luis Ricardo, que ainda se ressente de ritmo de jogo após longa ausência por lesão, fez uma boa partida contra o SP e deve permanecer na equipe.

Bruno Silva volta ao time depois de cumprir suspensão e deve formar o quarteto de meio campo com Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes e João Paulo, apesar do bom desempenho de Marcos Vinícius no primeiro tempo contra o São Paulo quando marcou dois gols. O mesmo acontece com Gilson que deve figurar no banco de reservas. Na frente, a dupla Pimpão e Roger deve ser mantida com boas chances para Guilherme, que entrou bem contra o São Paulo, começar o jogo caso Jair opte por preservar Pimpão.

A boa notícia de ontem ficou por conta da publicação do nome do chileno Leo Valencia no BID. O meia ganhou condição de jogo, foi relacionado e pode estrear com a camisa do Botafogo depois de quase um mês de espera pela regularização.


FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO X PALMEIRAS


Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 2 de agosto de 2017 (Quarta-feira)
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Luciano Roggenbaum (RJ)

BOTAFOGO:
Gatito Fernández; Luis Ricardo, Joel Carli, Igor Rabello e Víctor Luís; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Matheus Fernandes e João Paulo; Rodrigo Pimpão e Roger
Técnico: Jair Ventura

PALMEIRAS:
Jailson, Mayke, Edu Dracena, Luan e Egídio (Michel Bastos); Bruno Henrique e Jean; Zé Roberto (Keno), Dudu e Róger Guedes; Deyverson
Técnico: Cuca
Saudações a todos e fiquem à vontade para comentar

 Por @FelipaoBfr/Botafogodeprimeira.com